Musica do Blog

domingo, 24 de julho de 2016

O AMOR AO PRÓXIMO

Quem é o nosso próximo?

Podemos vê-lo, sob múltiplo aspecto:

Ao longo do tempo, desde o homem primitivo, passando por Moisés, por Jesus e finalmente com a Doutrina Espírita, podemos analisá-lo em sua forma de expressar seu relacionar com o outro.
O homem primitivo tinha uma vaga noção de quem era o próximo, e o via como seu semelhante.

Com Moisés, o semelhante era o outro...


Com Jesus, o outro, é irmão.


Finalmente, com a Doutrina Espírita, aprendemos que temos deveres com esse irmão. Esclarece-nos sobre as ligações do passado; dos compromissos assumidos; dos vínculos criados.


Mas... só vamos perceber que o outro é nosso próximo, quando sentimos que existe uma PESSOA por trás da sua  roupagem sócio cultural.


Ao tempo de Moises, imperava a Lei de Talião: "olho por olho, dente por dente".
Retribuímos ao próximo exatamente o que dele recebemos. Com o tempo, a forma de amor ao próximo também sofreu evolução.

Caminhamos, então, para o amor aos amigos:

Retribuímos a amizade
Cumprimentos
Atenção
Carinho



Uma troca particular de sentimentos.
QUEM É O INIMIGO?

Geralmente é aquele que nos aborrece. Que representa ameaça
Um perigo para as nossas vidas, nossos interesses, nossos bens...

Nós somos bons. Possuímos as coisas boas.
A virtude, a verdade.
Estamos com  a razão.

Nossos inimigos estão do outro lado.
Possuem os maus valores, a inferioridade.

Mas, nem sempre a verdade é essa.

Muitos defeitos dos outros, são partes nossas que não reconhecemos.

Vem, nesse sentido, a Doutrina Espírita pra nos esclarecer que o inimigo é aquele colabora na nossa evolução, desafiando a nossa sensibilidade, a nossa compreensão para exercitarmos a nossa capacidade de ajudar, de auxiliar.


O Mal e o Bem, os defeitos e as virtudes, fazem parte universal de cada ser humano.

Jesus nos ensina a amar com desse irradia para o objetivo da afeição sem exigir qualquer retribuição. Ensina-nos que a satisfação de amar está no prazer de dar amor e que ele, o amor é Deus em sua manifestação e a mais poderosa força magnética do universo.


Geralmente, é impossível para nós amar os inimigos porque supomos que eles são responsáveis por seus atos. Desconhecemos que muita das suas más ações tem motivos que eles mesmos desconhecem, como por exemplo, as dificuldades e frustrações atuais e do passado.

Com Jesus, aprendemos um  amor mais universal de amor ao próximo, sem distinção, seja ele, amigo ou inimigo.

O AMOR NÃO É ESTÁTICO.

Se apresenta como um processo contínuo e dinâmico em suas múltiplas formas:

Amor - cooperação
Amor - tolerância
Amor - perdão
Amor - participação
Amor - renúncia
Amor - caridade
Amor - aceitação
Amor - confiança

Através da perpétua descoberta do outro, em si mesmo.
Por isso, o ensino de Jesus:

Ama o teu próximo, como a ti mesmo!






Maria Lucia (Centelha Luminosa)
Fonte: Do livro "UM BOM COMEÇO"de Adalgisa Balieiro de Ribeirão Preto,

Visite também a página Mensagens em Cartões